Copersucar embarca 30 mil t de açúcar em terminal afetado por incêndio

SÃO PAULO, 14 Nov (Reuters) - A Copersucar, maior comercializadora de açúcar e etanol do mundo, começou a carregar 30 mil toneladas de açúcar a granel em seu terminal portuário em Santos, danificado por um incêndio recente, disse a agência marítima SA Commodities.

O carregamento ocorre em um ritmo reduzido, com apenas um carregador de navios e uma correia transportadora trabalhando. O navio Olivia Bianco Bulker notificou que começou a carregar na tarde de segunda-feira e provavelmente vai terminar de carregar nesta quinta-feira.

A SA Commodities disse que o açúcar que está sendo carregado parece ter sido recuperado do incêndio que destruiu grande parte dos cinco armazéns e do sistema de carregamento da Copersucar no complexo portuário de Santos em 18 de outubro e que danificou 180 mil toneladas de açúcar a granel.

O terminal incendiado havia sido inaugurado na sua atual forma em junho, após dois anos de obras que levaram à duplicação da sua capacidade, chegando a 10 milhões de toneladas por ano.

A maior parte dessa capacidade foi destruída pelo fogo e vai exigir a reconstrução, o que poderia levar um ano ou mais, de acordo com analistas.

A SA Commodities disse que Copersucar está conseguindo carregar 500 toneladas de açúcar por hora.

A movimentação, mesmo que lenta, poderia ajudar a comercializadora e sua 47 usinas associadas a restabelecer seus negócios de exportação de açúcar.

Se a taxa de embarque for essa mesmo e puder ser mantida, significaria que a Copersucar ainda poderia exportar mais de 3 milhões de toneladas de açúcar a granel por ano por meio do funcionamento parcial de seu terminal. A estimativa não leva em conta a capacidade adicional que a empresa está reservando em outros terminais para exportação.

Não está claro o volume de açúcar que foi recuperado do incêndio. Um representante da Copersucar disse por e-mail que a empresa estava retirando parte do açúcar que permaneceu em alguns dos armazéns após o acidente. A empresa não deu detalhes adicionais.

(Reportagem de Reese Ewing)

See all articles from Reuters
Loading...

Friend's Activity